Persianas | Dos povos Antigos até os dias de hoje

Hoje, persianas são naturalmente um dos itens de decoração mais utilizados no mundo. De fato, mais que decorar, elas também controlam a iluminação, temperatura e privacidade do ambiente. Seja em sua casa ou no escritório, elas estão sempre presentes.

Mas de onde surgiu o termo persiana? Hoje vamos conhecer um pouco sobre sua longa jornada, desde artigo de luxo até se tornar um item essencial.


Persianas – Seus primeiros vestígios

Há relatos de que civilizações Antigas dos desertos persas utilizavam tiras de pano molhadas em suas janelas. Os objetivos eram, sobretudo, refrescar o ambiente, proteger do sol e da areia carregada pelos ventos.

Eventualmente, os Egípcios Antigos, que margeavam o Rio Nilo, se apropriaram desse costume. Porém, eles faziam as persianas a partir do Junco, um gênero de plantas muito comum em áreas alagadas. Primeiro o Junco era colhido e depois seus caules eram trançados e formavam esteiras conectadas.

História da persianas

Em época similar, também haviam relatos que vieram da China e Roma antigas. Na China, utilizavam bambu para a produção da persiana. De fato, o bambu era mais resistente. Em contrapartida, em Roma, as persianas eram mais sofisticadas, feitas de gomos de um tecido grosso.


Difusão das persianas

Posteriormente, entre 1100 e 1400 D.C, mercadores de Veneza trouxeram consigo esses produtos em viagens para o território persa. Além deles, vieram os escravos, responsáveis por fabricar as peças em Veneza.

Difusão das persianas

Devido a enorme habilidade comercial dos mercadores de Veneza na época, a negociação das persianas era feita até com outros territórios, como a Inglaterra, por exemplo. Lá, as persianas ficaram muito conhecidas como venezianas, em menção aos mercadores.

Já na Idade Média, alguns escravos persas fugiram para a França. Lá, as persianas também se tornaram famosas, mas dessa vez, com o nome “Les Persiennes”, dando crédito a sua origem. Analogamente, na Espanha eles conheciam por “Las Persianas”.


Símbolo de riqueza na Europa

Em meados do século XVIII, finalmente, as persianas eram parte da cultura europeia. Ter persianas em sua residência era questão de status, um símbolo de riqueza para os mais nobres.


Evolução para a persiana atual 

História das persianas

Antes de mais nada, é importante ressaltar que até esse momento as persianas eram peças simples e inteiras, muitas vezes feitas de tecidos e sem tiras. Em 1769, o inglês Edward Bevan patenteou uma persiana com tiras de madeira conectadas entre si e com altura regulável. A partir daí, ela se tornava um produto mais elaborado.

Mais tarde, em 1841, o engenheiro de ferrovias inglês John Hampson patenteou outra persiana. Nela não apenas se controlava a altura como também o ângulo das tiras. Esse produto é o que mais se aproxima das persianas que temos nos dias de hoje.

Se interessou? Então veja nosso outro artigo – Persiana | Conheça 4 modelos práticos para seu ambiente – onde incluímos as características dos principais modelos vendidos atualmente.

Além disso, não se esqueça de visitar nosso catálogo de persianas. Escolha a que combina melhor com você e sua casa/escritório!